segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Pensamentos...

É engraçado pensar como a vida muda... Mudam os dias, muda o clima, mudam as pessoas. A vida muda. Todos mudam com ela.

Minha vida anda mudando. Muita coisa permanece, claro, mas coisas mudam... Tem coisas que não queremos mudar, mas que mudam "por nós", naturalmente, aleatoriamente... Se as vezes a gente opta em mudar, melhorar algo, noutras as coisas mudam, nem sempre "pra melhor", mas mudam, por desígnios alheios, caprichos, destino...

As vezes as mudanças são severas, radicais. Mas nenhuma é maior que a MORTE, em si, que é sem retorno. O resto é ou pode ser transitório ou mesmo que permanente, pode trazer sofrimento ou crescimento, enfim. Alguma situação nova, algum despertar para alguma outra realidade.

Difícil entender algumas coisas, quando as vezes somos jogados pra fora de um carro em movimento, no meio de uma estrada deserta, longe de qualquer coisa e alguém grita, enquanto o carro arranca: "TE VIRA"...!!

E de repente tu estás ali, parado, jogado, estropiado, deitado, no meio daquela estrada vazia, no meio do nada, ferido, todo machucado, sem entender nada, e tento que sobreviver, tentar se levantar, cuidar dos ferimentos conforme possível, e tentar seguir caminhando, sozinho, pela estrada tentando achar algum destino para além daquilo ali...

Mas a vida dá o calor do sol e o frio da noite. Dá o algo que se acha para comer e o algo que se descobre para beber... e assim seguirmos vivendo.

O caminho que seguimos, as vezes é a mesma estrada, com alguma diferença. E penamos até conseguirmos caminhar novamente por aquela estranha estrada, sem entendermos o pq ficamos para trás... Mas o tempo, que as vezes é um inimigo, também pode ser um amigo, pois com ele caminhamos e seguimos vivendo, dia após dia...

O tempo fecha as feridas e sara as dores daquela queda terrível. De um jeito ou de outro, teu corpo se acostuma com a nova situação. Ou as dores curam, saram, ou o corpo assimila o que pode e as cicatrizes ficam. Se não voltamos a ser "os mesmos" (e nunca voltamos...) aprendemos a nos mover conforme a nova situação. Conforme as feridas secam, conforme as dores pedem.

Aprendemos a mancar, para poupar uma perna. Aprendemos a fazer menos força com um braço. Aprendemos a diminuir o passo, para não sobrecarregar o coração..

Ah, o coração...


.
Buzz
(MSC)

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home